Nanomateriais em Produtos de Consumo: Milagre ou Ameaça?

Compartilhe

Nanomateriais parecem coisas de ficção científica. Novos materiais que podem fazer microchips 100 vezes menor e executado milhares de vezes mais rápido, os nanomateriais também se transformam protetor solar de uma pasta branca em um creme transparente que absorve os raios ultravioleta. Parece bom demais para ser verdade. E pode ser. Mas hoje, ninguém sabe realmente como os nanomateriais são seguros.

Mas isso não impediu as empresas de colocá-los em milhares de produtos de consumo que você pode estar ingerindo agora mesmo.

O que são Nanomateriais

Nanomateriais em Produtos de Consumo: Milagre ou Ameaça?

A palavra nanomaterial, frequentemente usado de forma intercambiável com nanopartículas, não se refere a uma substância específica. Em vez disso, os nanomateriais são definidos por seu tamanho, que tem menos de 100 nanômetros de diâmetro. Um nanômetro é um milionésimo de milímetro – pequeno demais para ser visto sem um microscópio eletrônico. Embora alguns nanomateriais existam na natureza, a maior parte da discussão está focada em nanomateriais projetados (ENMs). Os nanomateriais comumente usados ​​incluem estruturas de carbono, óxidos de titânio e outros metais, incluindo prata.

Seu tamanho lhes dá propriedades únicas que são úteis para criar produtos farmacêuticos mais eficazes, materiais mais fortes e eletrônicos menores. Eles são úteis até mesmo na remediação ambiental, onde podem se ligar a toxinas para neutralizá-los.

Os nanomateriais são muitas coisas. Mas eles não são regulamentados (ainda).

Negócio arriscado

Como os nanomateriais são relativamente novos, os governos não desenvolveram regras para seu uso em produtos de consumo ou mesmo para rotular produtos que os contenham. Embora os ambientalistas sigam o princípio da precaução, os governos raramente agem na ausência de dados sólidos que documentem os danos. Até agora, a maioria das pesquisas envolvendo nanomateriais tem se concentrado em seu desenvolvimento e aplicações potenciais. São escassas as pesquisas de segurança sobre seu comportamento no meio ambiente ou possíveis impactos à saúde dos seres humanos.

Veja também > Você sabe o que é uma Economia Circular?

Contudo, um estudo europeu analisou nanomateriais em um sistema aquático. Igual a microplásticos, os nanomateriais entraram na cadeia alimentar e bioacumulam, concentrando-se nos cérebros dos peixes. Sabe-se também que as nanopartículas podem entrar no corpo humano por inalação, ingestão e até pela pele. Os nanomateriais fibrosos de carbono podem induzir inflamação pulmonar semelhante ao amianto.

Produtos de Consumo

Se você achar esses sinais de alerta preocupantes e quiser evitar nanomateriais até que sejam comprovadamente seguros, você terá um desafio. As empresas raramente divulgam o uso de nanomateriais, que já estão difundidos em produtos como protetores solares, cosméticos, artigos esportivos, roupas resistentes a manchas, pneus e eletrônicos. E embora haja Recursos para ajudar as pessoas a evitar toxinas em produtos de consumo, nanomateriais não divulgados são não é fácil de detectar.

O que você pode fazer

O Estoque de produtos de consumo lista mais de 1.600 produtos identificados pelo fabricante como contendo nanopartículas. A Campanha por Cosméticos Seguros mantém um lista de ingredientes que pode indicar a presença de nanomateriais em produtos pessoais. Mas sem regulamentação, não há garantia de que as nanopartículas estão ausentes quando não estão listadas.

Você pode usar o seu poder como consumidor para que as empresas saibam que você está preocupado com o uso de nanomateriais e deseja ver mais pesquisas sobre sua segurança. Deixei seus representantes eleitos saiba que você apoia o fortalecimento da capacidade das agências reguladoras e a segurança cosmética.

Via > Earth911


Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

google.com, pub-2805716833148691, DIRECT, f08c47fec0942fa0