Você sabe o que é uma Economia Circular?

Compartilhe

Mais de 100 bilhões de toneladas de recursos entram na economia todos os anos – tudo, desde metais, minerais e combustíveis fósseis a materiais orgânicos de plantas e animais. Apenas 8,6 por cento é reciclado e usado novamente.

O uso de recursos tem triplicado desde 1970 e pode dobrar novamente até 2050 se os negócios continuarem como de costume. De acordo com a WWF, nós precisaremos de 1.5 Terras para apoiar de forma sustentável nosso uso atual de recursos.

Você sabe o que é uma Economia Circular?

Esse consumo desenfreado tem efeitos devastadores para os humanos, a vida selvagem e o planeta. É mais urgente do que nunca mudar de modelos lineares de usar e jogar fora para uma economia circular: onde resíduos e poluição são eliminados, produtos e materiais são mantidos em uso por mais tempo e de forma natural os sistemas podem se regenerar.

Veja também > Como fazer Artesanato em Couro e Materiais Reciclados

Uma economia circular não trata apenas de consertar erros ambientais: as evidências mostram que ela pode trazer grandes oportunidades e impactos positivos em indústrias, setores e vidas.

Um número crescente de empresas, governos e organizações da sociedade civil estão se unindo para impulsionar a mudança por meio do Plataforma para acelerar a economia circular (PACE). Mais de 200 especialistas de 100 organizações ajudaram a desenvolver o Agenda de Ação da Economia Circular, um conjunto de publicações que analisam o impacto potencial e exigem ações em cinco setores-chave: plásticos, têxteis, eletrônicos, alimentos e equipamentos de capital (máquinas e grandes ferramentas, como scanners médicos, equipamentos agrícolas e infraestrutura de manufatura).

A Agenda de Ação demonstra cinco oportunidades associadas à mudança para uma economia circular:

1. Faça melhor uso de recursos finitos

O conceito de economia circular visa a melhor utilização dos recursos naturais, como florestas, solo, água, ar, metais e minerais.

Veja a indústria têxtil. Todos os anos, enormes quantidades de combustíveis fósseis são usadas para produzir roupas de fibras sintéticas todos os anos. A produção têxtil (incluindo cultivo de algodão) usa quase 100 bilhões de metros cúbicos de água por ano, cerca de 4 por cento da retirada global de água doce. Ao mesmo tempo, as pessoas jogam fora roupas que ainda podem ser usadas no valor de cerca de US $ 460 bilhões a cada ano.

Você também pode gostar > As Máscaras faciais podem ser Recicladas?

Criar uma economia circular para têxteis significa mudar para materiais reciclados e recicláveis, a fim de reduzir a quantidade de terra, água e combustíveis fósseis usados ​​para produzir roupas novas. Significa mudar os padrões de consumo para reduzir novas compras e manter as roupas em uso por mais tempo, por exemplo, desenvolvendo os mercados de segunda mão e aluguel, bem como mudando a cultura da moda rápida. A pesquisa sugere que a compra de 100 roupas em segunda mão pode deslocar a produção de 85 novas peças de vestuário. E, por fim, significa garantir que as roupas em final de vida sejam coletadas e recicladas ou reaproveitadas em roupas novas, reduzindo ainda mais o uso de recursos.

2. Reduza as emissões

Cerca de 45% das emissões globais de gases de efeito estufa vêm do uso e fabricação de produtos, bem como da produção de alimentos. Estratégias de economia circular que reduzem nosso uso de recursos podem cortar as emissões globais de gases de efeito estufa em 39 por cento (22,8 bilhões de toneladas) e desempenham um papel crucial na prevenção dos impactos perigosos das mudanças climáticas.

Veja também > O que seignificam os números de Reciclagem nas Embalagens

Por exemplo, mudar para materiais reciclados aliviaria a necessidade de produzir plásticos virgens e fibras sintéticas, o que reduziria significativamente o uso de combustível fóssil e as emissões associadas.

Mudar os padrões de consumo também é crucial: por exemplo, se o número médio de vezes que uma roupa é usada fosse dobrado, as emissões de gases de efeito estufa da indústria têxtil seriam 44% menores.

O mundo produz cerca de 300 milhões de toneladas de resíduos plásticos por ano, quase o equivalente ao peso de toda a população humana.

A criação de uma economia circular para alimentos, reduzindo a perda e o desperdício é particularmente crucial para reduzir as emissões: se a perda e o desperdício de alimentos fossem um país, seria terceiro maior emissor depois dos Estados Unidos e da China.

3. Proteja a saúde humana e a biodiversidade

Todos os anos, mais do que 9 milhões de mortes ocorrem devido à poluição do ar, da água e do solo. Esta poluição também ameaça a biodiversidade.

Trabalhar em prol de uma economia circular ajuda a proteger a saúde humana e a biodiversidade de várias maneiras, inclusive fazendo melhor uso dos recursos naturais (protegendo a água e a terra) e mitigando a crise climática. Um dos impactos mais claros e diretos da mudança para uma economia circular virá de como lidamos com os produtos no final de sua vida.

O mundo produz ao redor 300 milhões de toneladas de resíduos plásticos a cada ano, quase o equivalente ao peso de toda a população humana. Isso está em cima de 54 milhões de toneladas de lixo eletrônico (lixo eletrônico), dos quais apenas 17,4 por cento é coletado e reciclado. Esses resíduos tornam-se perigosos para a saúde humana e para a biodiversidade quando são mal administrados, vazando para o meio ambiente ou descartados em queima a céu aberto, aterros sanitários ou reciclagem de baixa qualidade.

Projetar produtos para serem mantidos em uso por mais tempo reduz a quantidade de resíduos produzidos. A criação de sistemas adequados de coleta e processamento protege os trabalhadores e o meio ambiente de materiais perigosos. Por exemplo, usar soluções existentes, como substituir o plástico por outros materiais, projetar plásticos para que possam ser reciclados mais facilmente e aumentar a coleta e a reciclagem pode reduzir o fluxo de resíduos de plástico no oceano em 80 por cento em 20 anos – uma mudança que seria enormemente benéfica para a saúde humana e a biodiversidade.

4. Impulsione as economias

A pesquisa mostra que a economia circular oferece um Oportunidade econômica de US $ 4,5 trilhões reduzindo o desperdício, estimulando a inovação e criando empregos. Novos modelos de negócios focados em reutilizar, reparar, os modelos de remanufatura e compartilhamento oferecem oportunidades de inovação significativas.

Veja também > Veja 15 Maneiras de Reciclar Pneus Velhos

Por exemplo, uma economia circular para plásticos oferece benefícios econômicos consideráveis. Menos resíduos de plástico no oceano beneficiariam setores como pesca e turismo, já que a poluição do plástico leva a $ 13 bilhões em custos e perdas econômicas por ano. Reduzir a poluição e as emissões tóxicas que vêm da queima a céu aberto de resíduos plásticos diminuiria os custos de saúde, enquanto a redução do uso de combustível fóssil para a produção de plástico ajudaria a mitigar as mudanças climáticas e seus custos associados.

torre dinheiro moedas tempo

Muitos desses benefícios e oportunidades econômicos são de longo prazo, indiretos e requerem um investimento significativo; uma visão de longo prazo é fundamental, assim como os incentivos de curto prazo para impulsionar a mudança. Isso pode incluir políticas que criam incentivos financeiros mais imediatos para as empresas se desenvolverem novos modelos de negócios inovadores e permitir o fluxo eficiente de materiais reutilizados e reciclados nas cadeias de valor globais.

5. Crie mais e melhores empregos

A transição para uma economia circular pode criar um aumento líquido de 6 milhões de empregos até 2030. Aproveitar ao máximo essa oportunidade exigirá um foco claro na justiça social e ambiental.

Empregos podem ser perdidos em negócios mais lineares; no entanto, novos empregos serão criados em áreas como reciclagem, serviços como reparos e aluguel, ou em novas empresas que surgirem para fazer uso inovador de materiais secundários. Esses novos empregos não podem ser considerados substituições diretas, pois podem estar em locais diferentes e exigir habilidades diferentes.

Por exemplo, devemos considerar os milhões de trabalhadores do setor de vestuário – principalmente mulheres – cujo emprego depende da continuação da indústria da moda rápida. Investir em um apenas transição através do diálogo social, a proteção social e os programas de requalificação são essenciais.

Embora um aumento líquido de empregos seja importante, outro valor agregado da circularidade é a oportunidade de fornecer trabalho formal e melhores condições de trabalho para trabalhadores informais. Cerca de 15 milhões de pessoas em todo o mundo trabalham como “catadores“, recuperando materiais reutilizáveis ​​ou recicláveis ​​do lixo. Trazer esses catadores informais para o trabalho formal de coleta ou reciclagem é uma grande oportunidade de oferecer empregos mais seguros e protegidos.

Maximizando o impacto da economia circular

É claro que sempre há trade-offs a serem considerados e gerenciados quando se trabalha em direção a uma mudança sistêmica em grande escala. Por exemplo, mudar para plásticos de base biológica e têxteis naturais e recicláveis, como o algodão, usará menos combustíveis fósseis do que os plásticos tradicionais ou fibras sintéticas, mas pode aumentar a demanda por terra e água para o cultivo de tais materiais.

Mudar para materiais naturais é uma parte crucial da solução, mas apenas se esses materiais forem produzidos de forma sustentável – e apenas se os hábitos de consumo também mudarem.

Uma visão de longo prazo é fundamental, assim como os incentivos de curto prazo para impulsionar a mudança.

Também é importante reconhecer a natureza interconectada da economia global. Muitos minerais e metais usados ​​em eletrônicos são subprodutos da mineração de alumínio, cobre, chumbo e zinco, que são usados ​​em várias indústrias. Circular apenas na indústria eletrônica não ajudaria muito a reduzir a dependência desses recursos. Vários setores devem mudar para criar uma mudança sistêmica.

Finalmente, será crucial manter o bem-estar social e a equidade social como prioridade. Por exemplo, mudar para uma economia circular pode desviar o investimento e o emprego da produção e manufatura (o que tende a acontecer em países de baixa renda) e para estágios posteriores da cadeia de valor, como reparo, revenda, classificação e reciclagem (muitas vezes concentrada em países mais ricos).

Precisamos garantir que os benefícios econômicos sejam distribuído equitativamente para maximizar a oportunidade de uma economia circular.

Um papel para todos

As cinco áreas de impacto acima apresentam alguns dos benefícios sociais, ambientais e econômicos de uma economia circular, mas a concretização desses benefícios exigirá uma ação ambiciosa. Governos, empresas, sociedade civil, instituições financeiras, organizações de pesquisa – todos têm um papel a desempenhar. A nova Agenda de Ação da Economia Circular é um bom lugar para começar.

Via > GreenBiz


Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

google.com, pub-2805716833148691, DIRECT, f08c47fec0942fa0