Estas argolas metálicas podem ter sido a primeira moeda da Europa

Compartilhe

Os ocupantes da Europa Central em 2.000 AEC tinham uma economia monetária funcional? Essas pessoas tinham dinheiro da Idade do Bronze? Sim, eles tinham, dizem um par de arqueólogos holandeses. Eles tiraram esta conclusão depois de estudarem os acervos de objetos de bronze padronizados recuperados de aproximadamente 100 escavações da Idade do Bronze, em toda a região agora ocupada pela Alemanha, Áustria e República Tcheca.

Os objetos de bronze são “a mais antiga forma conhecida de dinheiro da Europa pré-histórica”, segundo Maikel H. G. Kuijpers, que, juntamente com seu parceiro de pesquisa Cătălin N. Popa (ambos professores da Universidade de Leiden, na Holanda), explicou o significado de suas descobertas em um artigo publicado em 20 de janeiro na revista de acesso aberto PLOS ONE. A ideia do dinheiro da Idade do Bronze não é nova, mas a teoria dos cientistas holandeses certamente é.

Dinheiro da Idade do Bronze e a Fração do Weber

Uma coleção de Argolas metálicas da Idade do Bronze (Osenringen), que são todos idênticos do ponto de vista da fração de Weber.
Uma coleção de Argolas metálicas da Idade do Bronze (Osenringen), que são todos idênticos do ponto de vista da fração de Weber. (MHG Kuijpers / CC-BY 4.0 )

Para chegar a sua fascinante conclusão, os arqueólogos holandeses analisaram mais de 5.000 objetos de bronze separados, que tinham sido moldados em argolas metálicas, anéis e lâminas de machado. Dentro de cada um destes três subconjuntos, todos os objetos eram de tamanho, forma e peso similares. As coleções de objetos de bronze foram enterradas intencionalmente em terra e no fundo dos rios, por razões desconhecidas. A maioria dos objetos foram encontrados em barracas que continham apenas uma forma específica, mas coleções mistas foram encontradas ocasionalmente.

Os arqueólogos da Universidade de Leiden não foram os primeiros a postar a teoria de que estes objetos eram de fato uma forma de dinheiro da Idade do Bronze. Mas seu trabalho rompeu um novo caminho ao empregar um método inovador de análise.

Baseando-se em um princípio psicológico e fisiológico de cálculo conhecido como fração Weber, eles determinaram que a maioria destes objetos tinha sido deliberadamente produzida em massa para ser intercambiável em todos os aspectos, como seria o caso se eles fossem destinados a ser usados como dinheiro.

Relacionado: Milhares de pinturas rupestres foram descobertas na Amazônia

De acordo com a fração Weber, os objetos que estão dentro de uma certa faixa de peso parecerão pesar exatamente o mesmo se mantidos na mão humana, e assim serão vistos como idênticos. Os ocupantes do início da Idade do Bronze na Europa Central não possuíam a tecnologia de medição para produzir objetos físicos com pesos exatamente iguais. A aparente uniformidade de peso teria sido o melhor que eles poderiam fazer, se estivessem tentando produzir em massa objetos que teriam valor como dinheiro.

Como estes objetos foram criados com dimensões precisamente padronizadas, foram feitos de metais duráveis, não tiveram nenhum uso prático óbvio e foram coletados como objetos de valor em caixas individuais, Kuijpers e Popa acreditam que os objetos de bronze devem ter sido usados como uma forma de dinheiro da Idade do Bronze. Como um tipo de proto-moeda, estes objetos produzidos em massa teriam tido valor de troca quando comercializados por uma variedade de bens e serviços.

“Houve muita discussão, mas nos faltava uma metodologia adequada para testar esta ideia”, explicou Kuijpers. Confiantes na solidez de sua abordagem, Kuijpers e Popa afirmam que seu relatório “fornece provas definitivas de que estamos lidando com dinheiro de mercadorias”.

O dinheiro faz o mundo girar… Mas estas argolas metálicas eram mesmo dinheiro?

A teoria de que estes itens antigos representavam uma forma de dinheiro da Idade do Bronze tem muito a recomendá-lo. Mas hipóteses alternativas são concebíveis.

Os objetos de bronze estudados foram intencionalmente padronizados na forma e no tamanho, isso já foi comprovado em muito. Mas ir além desse fato para tirar conclusões mais gerais inevitavelmente envolve um grau de conjectura, o que deixa espaço para outras interpretações imaginativas, mas plausíveis.

Por exemplo, se assumirmos que as pessoas do início da Idade do Bronze estavam interessadas na recreação, os objetos poderiam ter sido peças de jogo. Ou as peças poderiam ter sido dadas como prêmios aos competidores em jogos ou competições atléticas, possivelmente representando o primeiro, segundo e terceiro lugares, dependendo da forma do objeto premiado.

De fato, os objetos poderiam ter sido entregues como recompensa por uma variedade de realizações, ou em reconhecimento a certos tipos de serviço comunitário. Em termos modernos, eles teriam sido o equivalente a troféus ou citações, que teriam sido recolhidos e exibidos como motivo de orgulho.

Muitas outras possibilidades são imagináveis. Elas poderiam ter sido valorizadas como uma forma de arte produzida em massa, ou simplesmente como peças de coleção que poderiam ter valor de troca, mas somente se trocadas umas pelas outras. Ou podem ter tido usos práticos que não somos capazes de compreender, dada a natureza misteriosa dos povos pré-históricos. Eles podem ter tido alguma relação com crenças espirituais ou metafísicas, e as pessoas podem tê-los coletado para uso em rituais ou observâncias, ou para criar exposições sagradas.

Relacionado: Descoberta revela que egípcios usavam dinheiro falso

Nenhuma dessas teorias pode se encaixar tão bem na evidência quanto a hipótese oferecida pelos arqueólogos da Universidade de Leiden, que certamente tem mérito. Mas as explicações mais parecidas nem sempre são verdadeiras, e até mesmo determinar a explicação mais parecida pode ser difícil quando os dados disponíveis são limitados.

Sem uma máquina do tempo que nos permita viajar de volta às eras perdidas para observar a história desdobrando-se ao vivo e em pessoa, a verdade sobre o porquê de as pessoas da Idade do Bronze Primitivo na Europa Central estarem fazendo e coletando objetos metálicos padronizados permanecerá indefinida. Sem um registro escrito ou testemunho ocular, os “fatos” estão sempre abertos à interpretação.

Este artigo foi republicado de Ancient Origins. Leia o original.

Tradução e adaptação de Damares Alves.

Fonte >Sociedade Científica


Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

google.com, pub-2805716833148691, DIRECT, f08c47fec0942fa0