A importância de proteger a Biodiversidade Exótica

Compartilhe

Ao adotar um animal de estimação é necessário assumir a responsabilidade por garantir o seu bem-estar e garantir-lhe a melhor qualidade de vida possível. Porém, cada vez mais donos não se comprometem e acabam abandonando-os à própria sorte em qualquer espaço natural, colocando em risco o resto das espécies.

É vital que você saiba a importância de proteger a biodiversidade se você tem um animal exótico, e quais poderiam ser as consequências de seu abandono.

Compreendendo o conceito de biodiversidade

Para entender bem este conceito, é conveniente analisar o termo “biodiversidade“Prefixo de quem”bio“Refere-se a vida, enquanto que “diversidade“Já sabemos que se trata variedade.

Em consequência, biodiversidade compreende a riqueza natural de um ecossistema composto pela quantidade e variedade de espécies que fazem a vida nele, onde todos são necessários e nenhum é melhor que o outro.

A importância de proteger a biodiversidade se você tem um animal exótico

Furão.

A natureza primitiva tem um lugar para todos os seres vivos, que coexistem e existem em relação ao resto da espécie, tendo a possibilidade de subsistir desde que as condições originais sejam mantidas. Os problemas surgem quando uma espécie age para subjugar outras, colocando seus estoques em risco. É bem sabido que a ação dos humanos como espécie se espalhou por praticamente todos os cantos do planeta Terra e até mesmo fora dele, até fazer vida e evoluir, mesmo que isso implique danos para o resto dos seres vivos.

Hoje em dia é imprescindível estabelecer limites e evitar ao máximo que nossas ações interfiram com a subsistência de outras espécies.

O que são animais exóticos?

O conceito de animais exóticos mudou com o tempo. Embora anteriormente esse termo nos fizesse pensar em espécies estranhas, vindas de lugares remotos da Terra, hoje abrange praticamente qualquer animal, exceto cães e gatos.

Na Espanha, furões, coelhos, pássaros tropicais, répteis e anfíbios são frequentemente adotados como animais de estimação exóticos, mas ainda é necessário proporcionar-lhes cuidados específicos, alimentação e condições de vida adequadas à sua espécie, incluindo vacinas e exames médicos de especialistas como, por exemplo, veterinaria GWANA VET.

Como a manutenção de animais exóticos pode afetar a biodiversidade?

Em muitas ocasiões, a comercialização de animais exóticos se presta a práticas ilegais ou antiéticas onde os direitos e necessidades desses espécimes não são respeitados, apenas o lucro é buscado.

A partir deste ponto de vista, os animais são criados em ambientes inadequados ou extraídos de ecossistemas degradados pela própria ação do homem e chegam a seus donos com comportamentos aprendidos, diferentes daqueles que desenvolveriam se fossem livres por natureza.

Contudo, após sua adoção, os animais exóticos procuram se adaptar às novas condições de vida proporcionadas por seus donos, que lhes fornecem comida, abrigo e todo o básico para sobreviver.

Muitas vezes, os responsáveis ​​por esses tipos de animais de estimação percebem tarde demais como pode ser complexo cuidar deles, considerando que as condições de seu ambiente natural devem ser emuladas, tanto quanto possível, em casa, para evitar que adoeçam ou morram. Quando isso acontece, alguns optam pelo que acham melhor ou simplesmente mais fácil: deixar o animal ir livre em um parque, floresta ou área verde.

Os danos que esta ação exerce sobre a biodiversidade é muito maior do que se pensa. E não só para o benefícios anuais proporcionados pela biodiversidade e isso pode ser perdido. Por outro lado, o animal que antes era mascote não sobrevive porque não sabe como se alimentar e se abrigar sozinho, podendo até ser comido por outra pessoa, para que “solte-o” está praticamente condenando-o à morte.

Por outro lado, o comportamento desse espécime no ambiente onde é liberado é completamente inesperado. Você pode ser passivo e simplesmente morrer de fome, frio ou presa. Mas também É possível que ele desenvolva atitudes de seu próprio instinto de sobrevivência e se torne um predador, caso em que a existência de outras espécies do local estaria em risco.

Agora que o efeito que o simples gesto de “deixar um animal livre” se tornou claro, Convém lembrar que antes de adotar qualquer ser vivo como animal de estimação, é fundamental conhecer suas necessidades e, se as condições não estiverem disponíveis, de preferência não o faça.

É muito simples, se não podemos oferecer-lhes uma vida melhor do que a que podem ter no seu habitat natural, não os adotamos como animais de estimação.

Mas, se você já tem um animal exótico e não pode cuidar dele, consulte um veterinário ou especialista em fauna para guiá-lo. Existem muitos refúgios para este tipo de espécies onde podem viver como se estivessem em casa e partilhar com outros espécimes, é o mínimo que podemos fazer depois de os termos extraído do seu verdadeiro lar.

Via > ConcienciaEco


Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

google.com, pub-2805716833148691, DIRECT, f08c47fec0942fa0