A diferença entre Ouvir e Ouvir

Compartilhe

Ouvir o que alguém diz e ouvir suas palavras não são a mesma coisa. Existem diferenças fundamentais entre eles. Ouvir pode ser mais difícil do que ouvir, mas é importante ter pessoas em nossas vidas que nos ouvem e para ouvi-los em troca.

Audição

O dicionário define audição como: “o processo, função ou poder de perceber o som”. Quando ouvimos algo, estamos cientes do ruído ou som que faz, mas não necessariamente o interpretamos ou entendemos. Ouvir é um ato fisiológico; está relacionado à nossa biologia física. Às vezes, ouviremos coisas subconscientemente. Nem sempre está sob nosso controle.

A diferença entre Ouvir e Ouvir

Audição

Ouvir, por outro lado, é definido como “Prestar atenção ao som” ou “ouvir algo com atenção cuidadosa: dê atenção”. Para ouvir, temos que interpretar o (s) som (s) que ouvimos. Prestamos atenção a eles, os processamos e tentamos entendê-los. É um processo psicológico consciente.

A Ciência da Audição

Quando o som chega ao nosso ouvido, ele faz uma jornada para convertê-lo de uma onda sonora em um sinal elétrico. As ondas sonoras começam em nosso ouvido externo e, em seguida, viajam pelo canal auditivo até chegarem ao tímpano, fazendo-o vibrar.

Três pequenos ossos em nosso ouvido recebem essas vibrações e, em seguida, enviam-nas para nosso ouvido interno. Uma vez no ouvido interno, as ondas sonoras passam por uma série de etapas, que terminam com elas se tornando sinais elétricos. Esses sinais são transportados para o nosso cérebro, onde são transformados em um som que podemos compreender.

Interessante >> 16 Maneiras Simples de Aliviar o Estresse e a Ansiedade

Processamento Auditivo abrange tudo o que acontece ao longo do caminho de nosso ouvido interno ao cérebro e a maneira como nosso cérebro processa o som depois de recebê-lo.

Inclui ‘sintonizar’ o som, distinguir entre diferentes sons, o número de sons que podemos ouvir ao mesmo tempo, perceber diferenças em tom, velocidade e altura, lembrar e relembrar informações, nossa percepção de volume e a maneira como processar sons contra qualquer ruído de fundo.

A ciência da escuta

Ouvir, por outro lado, é um processo psicológico. A maneira como ouvimos pode variar dependendo do que estamos ouvindo e das condições em que estamos.

A pesquisa sobre como ouvimos está em andamento, mas sabemos que pode estar ligada à nossa memória de trabalho, memória de longo prazo, vocabulário ‘loja’, função executiva e atenção. Estudos também mostraram que interpretamos os sons da “fala” de maneira diferente de outros sons.

Idealmente, quando alguém fala, nosso cérebro combina rapidamente suas palavras com as palavras em nosso vocabulário mental bem organizado ‘armazenamento’, permitindo-nos entender o que eles estão dizendo. Em situações abaixo do ideal, contamos com métodos alternativos de compreensão da fala. Isso pode incluir usando nosso conhecimento existente de sons e aproveitando nossa memória de longo prazo para tentar preencher as lacunas nas informações que ouvimos. É semelhante à maneira como as crianças aprendem a ler – se elas chegarem a uma palavra que é nova para elas, a maioria das crianças tentará ‘soá-la’ e / ou dar sentido à palavra dentro do contexto do resto da frase.

Ouvir não é só palavras

Quando ouvimos alguém, não apenas ouvimos e interpretamos suas palavras; frequentemente, captaremos o tom de voz, o volume e a velocidade também. Se conhecemos bem alguém, às vezes podemos usar essa informação para interpretar seu humor. Por exemplo, eles podem falar mais rapidamente quando estão ansiosos.

A comunicação não verbal inclui gestos, contato visual, expressões faciais, linguagem corporal, se uma pessoa está brincando com algo, chorando ou qualquer outra ação que comunica algo para nós sem o uso de sons verbais. Às vezes, pode nos dizer tanto quanto a comunicação verbal.

Veja >> Como Melhorar sua Auto Estima e Acalmar sua Mente

Ao interpretar a comunicação verbal e não verbal de uma pessoa, vale a pena estar ciente de sua ‘norma’. Por exemplo, costuma-se dizer que, se alguém não dá contato visual, é mais provável que esteja mentindo. Mas para alguém que é cego, neurodivergente, ansioso ou simplesmente não gosta de contato visual, sua “norma” pode ser desviar o olhar. Em um caso como esse, fazer contato visual pode ser mais importante do que evitá-lo. Para eles, o contato visual pode significar que estão comunicando algo importante.

Escuta activa

Podemos ter ouvido o termo “escuta ativa” antes, mas não sabemos os meios na prática. A escuta ativa não é natural para todos, mas a boa notícia é que é uma habilidade que pode ser aprimorada com o tempo.

Quando estamos ouvindo ativamente, nos concentramos na pessoa que está falando para tentar entender completamente o que ela está comunicando. Damos tempo ao palestrante e tentamos não interromper. Se não tivermos certeza de algo que eles disseram, fazemos perguntas e frequentemente repetimos o que o orador disse em nossas próprias palavras para verificar nosso entendimento.

Quando ouvimos ativamente, estamos ativamente envolvidos na conversa.

Por que a escuta ativa é importante?

Escuta activa é importante porque nos permite entender completamente o que está sendo dito para nós. Por meio desse entendimento, criamos conexões significativas uns com os outros. Ao ouvir ativamente, mostramos que respeitamos o orador e consideramos o que ele diz importante e valioso. Isso é particularmente importante se o palestrante estiver falando sobre algo que encontrou difícil de falar.

Algumas dicas para ouvir ativamente

A escuta ativa é uma habilidade que podemos desenvolver com o tempo. Para melhorar nossas habilidades de escuta, podemos trabalhar em coisas específicas. Por exemplo, podemos:

  • Pratique sentar em silêncio (ou pelo menos em silêncio!). Pode ser muito desconfortável no início, mas devemos nos sentir mais fáceis quanto mais fazemos
  • Seja curioso. Pratique fazer perguntas.
  • Sintonize. Em lugares movimentados e barulhentos, tente sintonizar sons específicos. Por exemplo, se estivermos em uma cafeteria, poderíamos ouvir o murmúrio de um bebê em uma mesa próxima ou o tilintar de moedas enquanto as pessoas pagam por suas bebidas.
  • Encontre padrões em sons mundanos, como a máquina de lavar ou a lava-louças. Sintonize-os, eles têm um ritmo particular? É consistente ou muda? Podemos identificar em que parte do ciclo eles estão pelo som que fazem?
  • Seja paciente. Dê aos outros tempo para falar. Tente evitar ‘pular’.
  • Esteja aberto às experiências e opiniões de outras pessoas. Podemos não concordar com tudo o que eles dizem, mas ouvindo ativamente, podemos trabalhar para compreender sua posição e ter discussões significativas sobre nossas opiniões divergentes.
  • Pense em nossas respostas. Não precisamos responder às coisas imediatamente. Pratique levando tempo para considerar o que foi dito antes de formular uma resposta.
  • Use a repetição. Ao repetir o que ouvimos e entendemos, podemos verificar nosso entendimento e mostrar que ouvimos o que foi dito.

Nem todos nós ouvimos ou nos comunicamos da mesma maneira

Sempre que discutimos comunicação e escuta, é importante observar que somos todos diferentes, portanto, preferiremos estilos de comunicação diferentes.

Para alguns, sentar-se em um espaço silencioso com uma xícara na mão e ficar de frente para outra pessoa é sua maneira favorita de se comunicar. Outros acham isso profundamente desconfortável e têm suas conversas mais francas ao passear com o cachorro ou passear de carro.

Veja isso aqui > O que causa o Transtorno Bipolar nas Pessoas?

Muitos artigos sobre “escuta” discutem o contato visual e a linguagem corporal responsiva, como “inclinar-se para a frente”. Eles também falam sobre ouvir sem distrações. Embora isso possa funcionar para muitas pessoas, para algumas, esses estilos de conversação ‘típicos‘ podem não ser para elas; eles podem odiar o contato visual, limitar a linguagem corporal e ouvir com mais eficácia enquanto rabiscam.

Algumas pessoas se sentem confortáveis ​​conversando sobre ‘coisas’ do dia a dia, mas acham difícil discutir tópicos ‘difíceis’. Outros precisam de muito tempo para dizer o que pensam. Algumas pessoas acham a comunicação aberta realmente difícil e preferem um estilo de conversa de perguntas e respostas, enquanto outras acham isso restritivo e frustrante.

Como acontece com tudo na vida, não existe um método “tamanho único” para uma conversa eficaz e não podemos assumir que alguém não está nos ouvindo com base em uma ideia generalizada de como é a escuta ativa. Ao conhecer pessoas, aprenderemos como elas preferem se comunicar e aprenderemos a reconhecer quando estão ouvindo e quando estão ouvindo ativamente.

Não precisamos ouvir para ouvir

Para alguns de nós, ouvir não é possível. Isso pode ser porque somos surdos ou temos problemas de audição. Podemos ter um transtorno de processamento sensorial e lutam para ouvir, diferenciar ou processar ruídos diferentes.

Alguns de nós luta com telefones, conversa em pessoa ou bate-papo por vídeo e comunique-se escrevendo. Outros lutam para falar e confiam em Dispositivos de comunicação aumentativa e alternativa (AAC).

Ouvir não precisa depender de nossa habilidade de perceber sons. Podemos ‘ouvir’ a linguagem de sinais, texto escrito, tecnologia assistiva ou outras formas de comunicação.

Hora e lugar

Não precisamos ouvir ativamente cada coisa que nos é dita. Situações diferentes requerem estilos de comunicação diferentes.

Ao nos conscientizarmos da diferença entre ouvir e ouvir, podemos aprender a perceber quando ouvimos, ouvimos passivamente e ouvimos ativamente. Isso nos permite pensar sobre as habilidades que podemos querer melhorar, para que possamos ter conversas mais eficazes e de apoio.

Por favor, ajude-nos a ajudar outras pessoas e compartilhe esta postagem, você nunca sabe quem pode precisar.

Via > Blurtitout


Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

google.com, pub-2805716833148691, DIRECT, f08c47fec0942fa0