Genes de algas ajudaram um Cego a Recuperar parte de sua Visão

Compartilhe

Um homem cego que só conseguia perceber um fragmento mais tênue de luz agora pode perceber formas difusas, graças à terapia genética e a um par de óculos de proteção especialmente projetados.

O homem foi diagnosticado com uma doença chamada retinite pigmentosa há 40 anos, aos 18 anos, de acordo com um novo relatório, publicado segunda-feira (24 de maio) na revista. Nature Medicine. Pessoas com retinite pigmentosa apresentam defeito genes que, devido a muitas mutações, causam o luz– células sensíveis na retina na parte de trás do olho perder o controle, de acordo com o National Eye Institute (NEI).

Genes de algas ajudaram um Cego a Recuperar parte de sua Visão

Esses genes geralmente codificam para proteínas funcionais na retina, mas, em vez disso, não conseguem construir essas proteínas, ou fazer proteínas anormais que funcionam mal ou produzem substâncias que danificam diretamente o tecido retinal. A condição afeta cerca de 1 em 4.000 pessoas em todo o mundo, de acordo com o NEI, e às vezes pode levar à cegueira completa, como ocorreu no paciente de 58 anos de idade no novo estudo.

Em uma tentativa de tratar a perda de visão do homem, os cientistas inseriram genes que codificam para uma proteína sensível à luz em um vírus modificado e, em seguida, injetaram esses vetores virais geneticamente modificados em um de seus olhos, relataram os pesquisadores. A proteína, chamada ChrimsonR, é uma versão projetada de uma proteína sensível à luz encontrada em células unicelulares algas, que permite ao organismo unicelular detectar e mover-se em direção à luz do sol, MIT Technology Review relatada.

ChrimsonR pertence a uma família de proteínas sensíveis à luz chamadas channelrodopsinas, daí o “H” adicionado em carmesim, e foi modificado para reagir às cores dentro da extremidade avermelhada do espectro de cores, ou seja, luz âmbar. Injetando genes para ChrimsonR na retina – especificamente nas células ganglionares da retina, um tipo de célula nervosa que envia sinais visuais para o cérebro – a equipe esperava tornar essas células sensíveis à luz amarelo-laranja, relatou a MIT Technology Review.

É aqui que entram os óculos especiais. Os óculos captam as mudanças na intensidade da luz do ambiente e, em seguida, traduzem esse sinal em uma imagem âmbar intensa que é projetada diretamente na retina do paciente, com o objetivo de ativar o ChrimsonR. Meses se passaram antes que uma quantidade significativa de ChrimsonR se acumulasse no olho do homem e começasse a alterar sua visão, mas, eventualmente, ele começou a perceber padrões de luz com a ajuda dos óculos, relatou a BBC News.

“O paciente percebeu, localizou, contou e tocou” objetos diferentes usando seu olho tratado, sozinho, e enquanto usava os óculos, escreveram os pesquisadores no estudo. Por exemplo, o paciente podia perceber um caderno e xícaras colocados em uma mesa à sua frente, embora, quando solicitado a contar as xícaras, nem sempre desse o número correto, de acordo com a MIT Technology Review.

Antes de receber a terapia, o homem não conseguia detectar nenhum objeto, com ou sem os óculos, e após a injeção só conseguia enxergar com os óculos, já que eles convertem toda a luz em um tom âmbar, relataram os pesquisadores.

Além do caderno e das xícaras, o paciente relatou ter visto as linhas brancas pintadas em uma faixa de pedestres, informou a BBC. “Este paciente inicialmente ficou um pouco frustrado porque demorou muito entre a injeção e o momento em que começou a ver algo”, primeiro autor, Dr. José-Alain Sahel, oftalmologista e cientista da Universidade de Pittsburgh e do Instituto de Visão em Paris, disse à BBC. O paciente começou a treinar com os óculos cerca de 4,5 meses após a injeção e só começou a relatar melhorias em sua visão cerca de 7 meses depois disso, relatou a equipe.

“Mas quando ele começou a relatar espontaneamente, ele foi capaz de ver as listras brancas do outro lado da rua, você pode imaginar que ele estava muito animado. Estávamos todos entusiasmados”, disse Sahel à BBC.

Mesmo agora, a visão do homem ainda permanece bastante limitada, pois ele só pode ver imagens monocromáticas e em uma resolução bastante baixa. Mas “as descobertas fornecem uma prova de conceito de que o uso da terapia optogenética para restaurar parcialmente a visão é possível”, disse o autor sênior, Dr. Botond Roska, diretor fundador do Instituto de Oftalmologia Molecular e Clínica da Basiléia na Universidade de Basel, à BBC News. (“Optogenética” descreve amplamente a técnica de uso de luz e modificação genética para controlar a atividade dos neurônios.)

Claro, embora esses resultados iniciais sejam empolgantes, o estudo é limitado porque apenas um paciente recebeu o tratamento até agora, disse à BBC James Bainbridge, professor de estudos de retina da University College London que não esteve envolvido no estudo.

Originalmente publicado na Live Science.

Via > LiveScience


Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

google.com, pub-2805716833148691, DIRECT, f08c47fec0942fa0